PARADIGMAS…

Posted by: Clécio Carvalho / Category:

Você já parou pra pensar porque julga tanto outras pessoas? Talvez agora você esteja dizendo pra si, mas eu não sou deste jeito. A verdade é que você é.

Vivemos em uma sociedade onde tudo o que achamos ser “certo ou errado” esta dentro de um “molde”, ou seja, julgamos tudo porque colocamos dentro de um padrão no qual achamos ser o correto, e fazemos nossas “análises criticas” da vida, do ambiente, das pessoas, todas dentro destes moldes.

No livro O monge e o executivo, segundo o autor, paradigmas são padrões psicológicos, modelos ou mapas que usamos para navegar na vida. E não é isto mesmo que fazemos, criamos em nós modelos de paradigmas no qual trazemos para o nosso dia a dia. No entanto, quero ressaltar que estes padrões não foram criados por vontade do sujeito, eles simplesmente não foram inventados de uma hora para outra, ele foi “implantado” em nós durante toda a nossa trajetória de vida, ou seja, na escola, em casa, na rua, no grupo social onde estamos inseridos, ou você acredita que nasceu assim? É uma besteira pensar que este “senso critico” é natural.

Pensar que nascemos com este “senso critico” próprio e que ele não foi fruto do meio, seria o mesmo que admitir que não somos capazes de mudar, o que ocasionaria, ou posso dizer ocasiona um serio risco. Com certeza você já deve ter ouvido alguém dizer: Eu nasci assim e não vou mudar nunca... este é o grande problema em se admitir tal fato, com isso se institui uma barreira onde o velho paradigma nunca vai ser mudado.

O velho paradigma é justamente o que foi inserido em nós através do tempo. Podemos nos questionar se estamos no caminho certo ou se devemos mudar um pouco a direção. O que fazemos, ou melhor, como agimos diante do diferente, como nos comportamos quando há perto de nós algo, ou alguém, que nos incomoda. Poderíamos pensar, por exemplo, no racismo, que nada mais é do que a manifestação aversiva do diferente, porém, nem sempre é tão visível em nós este tipo de manifestação. A grande maioria das reações adversas que sentimos é interna, e é justamente nestas que temos que fazer uma alto análise.

Julgamos e às vezes condenamos as pessoas, achando sermos melhores do que elas, lembrando que o contrário também acontece. E desta forma criamos uma barreira que nos mantém distantes e “protegidos” do diferente. Contudo, o que conseguimos com isto é limitar a nossa convivência coletiva, limitar a nossa forma de pensar, não abrindo espaço para ouvir, refletir, e quem sabe aceitar a idéia do outro, e sem contar que evitamos crescer e aprender muito mais do que os nossos olhos podem enxergar.

Há um provérbio chinês que diz: se você não mudar a direção, terminará exatamente onde partiu.


7 comentários:

  1. Ly Saldanha Says:

    Eis a questão: terminar onde partiu!
    Os paradigmas existem e podem servir sim como mapa para se andar na vida. No entanto, existe a possibilidade de escolha até mesmo dos que poderão ou não servir de bússola para cada de nós. Escolha! Cada um faz a sua. O que pode ser bom para me guiar, pode não ser para vocÊ. E assim vamos caminhando...
    O que para mim não é admissível é terminar exatamente no mesmo lugar de onde partimos.
    Excelente reflexão, amigo!
    Bj!

  1. Alê Says:

    Nossa...concordo totalmente com a Ly. Essa diversidade de possibilidades de bússolas é que deve ser vista e compreendida.

    Ótimo texto man!

  1. Rafael de Queiroz Torres Says:

    parabens!! Precisamos estar abertos para o novo e sem refutar o diferente...Contudo, aderindo o que paulo diz aos tessalonicenses e respeitar o caminho diferente do nosso.


    "Examinai tudo. Retende o que é bom.”
    - I Tessalonicenses, 5:21 -

  1. Clécio Carvalho Says:

    obrigado pessoal pela colaboração de vcs. abração...

  1. Lukêta Says:

    Padrões e modelos existem, isso é um fato. A maneira como lidamos com eles é que faz a diferença. E não adianta negar que julgamos muito e muitos. Para termos uma visão melhor das coisas, creio que devemos adquirir conhecimento sobre vários paradigmas, compará-los e não se prender em nenhum, a não ser o modelo de Jesus, o modelo da melhor síntese e re-leitura de paradigmas que já existiu! Bom texto cabra!

  1. Kalleu Natividade Says:

    Aff! Ficou difícil comentar... Principalmente por que concordo com todos... Bem... O que restou falar... O texto está muito bem escrito, claro e objetivo, você escreve muito bem... Os temas que você tem abordado são surpreendentes, estou adorando visitar seu blog...

  1. Clécio Carvalho Says:

    obrigado a todos... sem palavras pra expressar...

Postar um comentário